Líderes muçulmanos reiteram adesão ao Documento sobre a Fraternidade

Documento sobre a Fraternidade Humana foi assinada pelo Papa Francisco e pelo Grão Imame de Al-Azhar Ahmad Al-Tayyeb, em fevereiro passado

Da redação, com Vatican News

“Um ponto de partida” e “sem retorno”. Com estas palavras, como relatado pelo jornal francês “La Croix”, 22 líderes e intelectuais muçulmanos sunitas, xiitas e sufis definem o Documento sobre a Fraternidade Humana em prol da Paz Mundial e da Convivência Comum, assinado em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, durante a visita do Papa Francisco, em fevereiro passado.

O documento assinado pelo Pontífice e pelo Grão Imame de Al-Azhar Ahmed Al-Tayyeb, reafirm que a cultura do diálogo é o caminho para viver em paz, conhecendo-se mutuamente. “Fraternidade para o conhecimento e a cooperação” é o título do texto de 15 páginas nascido por iniciativa do Imame Yahya Pallavicini, presidente da ‘Coreis’ italiana (Comunidade religiosa islâmica), juntamente com o Instituto de Estudos Islâmicos na França e um pequeno grupo de outros líderes muçulmanos, que já haviam assinado a carta dos 138 intelectuais muçulmanos ao Papa Bento XVI, em 2007, e a Declaração de Marrakesh sobre as minorias religiosas, em 2016.

O texto define o Documento sobre a Fraternidade Humana como “um evento institucional sem precedentes na história das relações entre cristãos e muçulmanos” , o sinal da abertura de uma nova fase orientada “ao reconhecimento da legitimidade e providencial diversidade de revelações, teologias, religiões, línguas e comunidades religiosas”.

Os 22 líderes e intelectuais muçulmanos destacam como as diferenças não são mais consideradas “como um chamado à conquista ou ao proselitismo, ou um pretexto para uma simples tolerância de fachada”, mas sim uma oportunidade para colocar em prática a fraternidade que é “um vocação contida no plano de Deus para a Criação”. Segundo os muçulmanos, o diálogo inter-religioso, que já era “recomendado pelo Alcorão”, parece hoje “vital”.

Leia também
.: A fé une, não divide, diz Papa em mensagem aos Emirados Árabes

A intenção do recente texto – relata o Imame Pallavicini – é a de exortar a reflexão “sobre a Declaração, sobre seu método, sobre sua linguagem: discuti-la de maneira fraterna, possivelmente crítica, mas sem excluir o texto abertamente por razões ideológicas ou políticas.”

O diretor da Coreis ressalta que a assinatura de Abu Dhabi gerou divisões no mundo muçulmano e que não faltaram críticas à iniciativa guiada pelos Emirados Árabes e levada em frente pelo Grão Imame de Al-Azhar. Alguns expoentes religiosos também decidiram não assinar o texto “A Fraternidade para o conhecimento e a cooperação”.

Quem assinou – explicou Pallavicini – pretende aceitar o convite para construir uma “fraternidade humana” que extrapola as fronteiras religiosas. A intenção é a de “promover iniciativas locais com base nesta declaração”, também “a nível acadêmico”, constituindo uma “rede de apoio ao diálogo entre cristãos e muçulmanos”.

O post Líderes muçulmanos reiteram adesão ao Documento sobre a Fraternidade apareceu primeiro em Notícias.

;
Matéria retirada do Site: Noticias do Vaticano por papa.cancaonova.com

Gostou do nosso site, compartilhe...

Pastoral da Comunicação Santa Terezinha

Missão: “Testemunhar e anunciar o Evangelho de Jesus Cristo”. A Pastoral da Comunicação testemunha e anuncia o Evangelho de Jesus Cristo, promovendo a comunhão e a participação ativa no processo comunicacional e consolidando a missão da Igreja por meio da comunicação. Definição: “É a pastoral do ser e estar em comunhão com a comunidade. É a pastoral da acolhida, da participação, das inter-relações humanas, da organização solidária e do planejamento democrático do uso de recursos e instrumentos de comunicação” (doc. 75 – Igreja e Comunicação -  CNBB) A Pastoral da Comunicação é o organismo que deve aproximar-se dos meios de Comunicação e colocá-los a serviço da divulgação da mensagem de Cristo, proclamando a partir dos telhados (cf MT. 10, 27; Lc 12,3) a mensagem da qual é depositária. E João Paulo II vem confirmar este anseio da Igreja quando diz que “não é suficiente usar os meios de comunicação para difundir a mensagem cristã e o Magistério da Igreja, mas é necessário integrar a mensagem nesta “nova cultura”, criada pelas modernas comunicações... Com novas linguagens, novas técnicas, novas atitudes psicológicas”. (Redemtoris missio). Objetivo Geral: As diretrizes da Pascom têm como objetivo principal consolidar a missão da Igreja por meio da comunicação. Organizar e animar a Pastoral da Comunicação, para que ela seja um instrumento eficaz e ajude permanentemente as paróquias e, por conseguinte a diocese a cumprir sua missão de anunciar a Cristo de modo planejado. O fortalecimento do processo dialógico enaltece qualidades existentes na comunidade como a acolhida, o amor fraternal e a compreensão da complexidade das relações pessoais e a superação dos desafios, tornando comum as diferenças e assumindo em conjunto o projeto evangélico da instalação do Reino de Deus entre nós. O Sistema Pascom de Automatização de Mensagens, foi desenvolvido plenamente para que nossos paroquianos tenha sempre a mão as notícias mais atualizadas possíveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *